SISTEMA URINÁRIO

12
1286

SISTEMA URINÁRIO

O Sistema urinário ou Aparelho urinário é um conjunto de órgãos envolvidos, responsável pela formação, depósito e eliminação da urina. O sistema urinário é constituído pelos órgãos uropoéticos, isto é, incumbidos de elaborar a urina e armazená-la temporariamente até a oportunidade de ser eliminada para o exterior. 
O Sistema urinário é composto por dois rins e pelas vias urinárias, formada por dois ureteres, uma bexiga e uma uretra
A urina é produzida nos rins e conduzida à bexiga urinária através dos ureteres, onde é armazenada até a micção, sua eliminação através da uretra.
Fonte imagem: http://www.anatomiaresumida.com

O aparelho urinário possui funções realizadas através da formação de urina pelos rins, como:

  • Manter o equilíbrio hídrico e eletrolítico;
  • Excretar ureia e creatinina, derivados nitrogenados tóxicos;
  • Regular volume e composição dos líquidos corpóreos.

RINS

Órgãos em número de dois, têm a forma de feijão, estão localizados na região retroperitonial, na altura do 11º e 12º par de costelas. O rim direito situa-se em uma posição inferior ao esquerdo, pois o fígado ocupa uma região maior à direita.

Cada rim tem aproximadamente de 10 a 12 cm de comprimento, 5,0 a 7,5 cm de largura e 2,5 cm de espessura. A borda lateral é convexa e a medial côncava. Ao longo da borda medial existe uma depressão, o hilo renal, por onde entra a artéria renal e sai a veia renal e o ureter, os vasos linfáticos e a inervação do rim entram e saem. Na extremidade superior de cada rim situa-se a glândula suprarrenal que pertence ao sistema endócrino.

Externamente o rim é envolvido por uma cápsula fibro adiposa constituída por três camadas: a externa, fáscia renal, de tecido conjuntivo que ancora o rim à parede abdominal e ao peritônio; a interna, cápsula renal (cápsula fibrosa), de tecido fibroso, que é fixa à superfície do rim; entre elas a cápsula adiposa renal, composta por uma massa firme de sustentação e de tecido adiposo.
Internamente o rim apresenta o córtex renal, que fica em contato com a cápsula renal, e a medula renal, porção interna, que comporta as pirâmides renais, estruturas estriadas triangulares, onde os ápices são denominados papilas renais. Entre as pirâmides renais, córtex renal estende-se formando as colunas renais. A papila renal prolonga-se em uma pequena depressão denominada cálice menor, que na sua união com outros cálices menores formam o cálice maior. Os cálices maiores unidos formam a pele renal, onde a urina é coletada e transportada para o ureter. 
A estrutura funcional responsável pela formação da urina é denominada cálice néfron. O rim contém mais de um milhão de néfrons, que têm como função remover impurezas do sangue e regular seu conteúdo líquido e eletrolítico, sendo ricamente provido de vasos sanguíneos.
Fonte imagem: http://www.anatomiaresumida.com
CIRCULAÇÃO RENAL
A artéria renal entra pelo hilo e divide-se em artérias interlobares que circulam as pirâmides renais através das colunas renais. As artérias interlobares ramificam-se até as arteríolas glomerulares afrentes, onde cada uma está distribuída a uma néfron que se divide em uma rede capilar enovelada, o glomérulo renal. O sangue deixa o glomérulo pelas arteríolas glomerulares eferentes até chegar á rede venosa, como as veias interlobulares, veias arqueadas e veias interlobares que passam pelas pirâmides renais até deixar o rim em uma única veia renal. O filtrado do sangue a água é produzido na capilar que elimina água e resíduos dissolvidos, reabsorvendo a água e outras substâncias que não podem ser eliminadas.
Fonte imagem: http://www.anatomiaresumida.com
NÉFRON
Responsável pelo controle da concentração e volume do sangue; auxilia na regulação do pH sanguíneo; remove as impurezas tóxicas do sangue.
O néfron é formado pela cápsula glomerular, túbulo contorcido proximal, ramo descendente da alça do néfron (alça de Henle), ramo ascendente da alça do néfron e túbulo contorcido distal.
O glomérulo é envolvido pela cápsula glomerular (de Bowman), constituindo, juntos, o corpúsculo renal. O filtrado glomerular permanece no espaço capsular, entre as camadas viscerais internas e parietais externa, da cápsula glomerular.
As células da camada interna unem-se às células endoteliais dos capilares do glomérulo e formam juntas umas membranas de filtração que proporciona a saída de solutos e líquidos do sangue para os túbulos renais e impede a saída de células sanguíneas e moléculas grandes de proteínas.
O filtro passa então para o túbulo contorcido proximal, onde são reabsorvidos água, sais e outras moléculas, através dos capilares que os envolvem.
Do túbulo contorcido proximal passa para a alça de henle, que é conduzido para a medula renal pelo ramo ascendente da alça até o túbulo contorcido distal, último segmento do néfron.
Os túbulos contorcidos distais desembocam nos tubos coletores que, por sua vez passam pela papila renal e remete o líquido para os cálices menores, para os cálices maiores, já como urina, que desemboca na pelve renal.
Estão localizados no córtex renal, o glomérulo, a cápsula glomerular e os túbulos contorcidos proximal e distal.
Os néfrons realizam o principal trabalho do sistema urinário: controle do volume e concentração do sangue; auxílio na regulação do pH sanguíneo; remoção de impurezas tóxicas, através da remoção de materiais do sangue, devolução de alguns resíduos ainda necessários ao corpo e eliminação dos restantes.
Obs: A urina compreende os materiais eliminados, sua formação envolve: filtração glomerular, reabsorção tubular e secreção tubular.
Fonte imagem: http://www.anatomiaresumida.com
FILTRAÇÃO GLOMERULAR
Tem início na membrana de filtração, na entrada do glomérulo onde a pressão sanguínea força a passagem da água e das substâncias dissolvidas no sangue, constituindo o filtrado glomerular.
O filtrado glomerular é composto de água e pequenos solutos do sangue, porém não consiste em proteínas e células sanguíneas. Contém água, glicose, vitaminas, aminoácidos, Na, Cl, HCO³, K, ácido úrico ureia, creatinina e outros solutos com a mesma concentração do plasma.
Os rins formam, a cada minuto, cerca de 125 ml de filtrado, aproximadamente 180 L/dia, denominada Taxa de Filtração Glomerular (TFG). 
Três principais mecanismos regulam a TFG, são eles:
  • Autorregulação renal: consiste na capacidade que os rins têm de conservar a pressão sanguínea e TFG constantes;
  • Regulação hormonal: realizada pelos hormônios angiotensina II e peptídeo natriurético atrial (PNA).
  • Regulação neural: regula o diâmetro das arteríolas através de estimulação simpática do sistema nervoso autônomo, o qual pode contrair o vaso renal e diminuir a TFG.

     Imagem: Reprodução/Internet

A angiotensina II, conduzida pelo sangue, age sobre vários efetores:

Contrai a arteríola glomerular eferente, o que eleva a pressão sanguínea glomerular e eleva a TFG ao normal.
Estimula a produção de aldosterona, pelo córtex suprarrenal, o que aumenta a retenção de sódio, cloro e água nos rins elevando o volume sanguíneo, a pressão sanguínea e a TFG ao normal.
Age no centro da sede, no hipotálamo, estimula a ingestão de água que eleva o volume sanguíneo e restaura a TFG.
Estimula a secreção do hormônio antidiurético pela neuro-hipófise posterior, que impulsiona a retenção de água, eleva o volume sanguíneo, a pressão sanguínea e a TFG ao normal.
O peptídeo natriurético atrial é produzido nas células atriais do coração. Impulsiona a retenção de água, eleva o volume sanguíneo nos átrios aumenta, estimula a secreção de PNA que aumenta a TFG.

Fonte imagem: http://www.anatomiaresumida.com
REABSORÇÃO TUBULAR
Aproximadamente 1% do filtro é eliminado e 99% são reabsorvidos, cerca de 1 a 2 litros/dia. A reabsorção tubular ocorre ao longo dos túbulos renais e tubos coletores e envolve três processos: osmose, difusão e transporte ativo.
São reabsorvidos íons, como Na, K, Cl e HCO³, água, glicose, aminoácidos e ureia.
SECREÇÃO TUBULAR
Os materiais desnecessários e prejudiciais ao funcionamento do corpo humano serão assim eliminados pelas vias urinárias. As células produzem muitos resíduos que são produtos de seus metabolismos e que devem ser eliminados (excretados) do organismo, além de substâncias que estão em excesso no sangue. Tais resíduos são chamados excretas.
Desempenha os mecanismos de excreção de substancias, como: K, H, NH⁴ (amônio), creatinina, ureia e algumas drogas, ao filtrado, acontece nas células epiteliais dos túbulos renais e tubos coletores. Tem a função de eliminar certos materiais e auxiliar no controle do pH sanguíneo.
Fonte imagem: http://www.anatomiaresumida.com
URETERES 
Órgãos pares e tubulares, com aproximadamente 25 cm de comprimento, estendem-se da pele renal ate a bexiga urinária. A parede do ureter é formada por três camadas: mucosa interna constituída de epitélio de transição; camada média constituída por fibras musculares, permitindo que ou adventícia composta de tecido conjuntivo, o qual protege as demais camadas.
Imagem: Reprodução/Internet
BEXIGA URINÁRIA
Órgão muscular cuja função é armazenar a urina até sua eliminação. Está situado na cavidade pélvica, posteriormente à sua sínfise pública, no homem está anterior ao reto e na mulher, anterior à vagina e inferior ao útero.
Sua forma depende da qualidade de urina que está contida. Quando cheia a presenta uma forma ovoide, semelhante a uma pera, e piramidal quando vazia. Na estrutura da bexiga urinária existe uma região em forma de triângulo denominado trígono, no ápice do triângulo, está a abertura da uretra e nos pontos da base, os ureteres. 
Fonte imagem: http://www.anatomiaresumida.com

A parede da bexiga urinária apresenta quatro camadas: túnica mucosa, com capacidade para expandir-se; tela submucosa, túnica muscular composta por três camadas de músculo liso; adventícia, mais externa que se une ao peritônio. Ao redor da abertura da uretra encontra-se o esfíncter interno da uretra e abaixo deste, o esfíncter externo da uretra.

Sua capacidade de reserva pode chegar a 1 litro, porém quando atinge um volume de 200 ml a 400 ml, impulsos são transmitidos à medula espinhal que indiciam uma necessidade de urinar, um reflexo subconsciente envia impulsos para relaxar o esfíncter interno da uretra e a porção consciente do cérebro envia impulsos para relaxar o esfíncter externo da uretra e ocorrer a micção, ato de expelir a urina.

URETRA
A uretra feminina tem a função de expelir a urina para o exterior e está localizada posterior à sínfise pública, tem aproximadamente 4 cm de extensão. O óstio externo da uretra, abertura para o exterior, localiza-se entre o clitóris e o óstio da vagina.

A uretra masculina tem a função de expelir a urina e eliminar o líquido seminal (sistema genital masculino), alonga-se através da próstata passa pelo músculo profundo do períneo até o pênis, tem aproximadamente 20 cm de comprimento. A porção final do sistema urinário tem a forma tubular e liga urinária à região extrema do corpo.

Fonte imagem: http://www.anatomiaresumida.com
COMPOSIÇÃO DA URINA 
A urina é um subproduto estéril do sistema urinário e através de uma análise de seus componentes obtêm-se informações a respeito do estado em que se encontra o corpo.

O volume total diário de urina e um adulto normal variam de 1.000 a 2.500 ml.

Quanto ás características físicas, a urina apresenta:
  • Cor: amarela ou âmbar, mas pode sofrer alterações devido à dieta e à concentração urinária.
  • Turbidez: torna-se turva ao ficar depositada;
  • Odor: aromático e amoniacal quando depositado;
  • pH: de 4,6 a 8,0;
  • Densidade: de 1.001 a 1.035.
Composição química:
  • Cerca de 95% é composta por água;
  • Ureia;
  • Creatinina;
  • Ácido úrico;
  • Urobilinogênio;
  • Na, K, Cl, Mg, SO2, NH4, Ca;
  • Outras substâncias como carboidratos, pigmentos, enzimas, hormônios e a mucina.

 

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
NETTER, FrankH. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.
SOBOTTA, J. Atlas de Anatomia Humana. 21ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.
TORTORA, Gerald J. Corpo Humano. Fundamentos de Anatomia e Fisiologia. 4ed. Porto Alegre, Artmed, 2000.
GUYTON, A. C. Tratado de Fisiologia Médica. 10ª ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2002.
VAN DE GRAAFF, K. M; Anatomia Humana. 6ª ed. São Paulo: Manole, 2003.
DÂNGELO, José Geraldo; FATTINI, Carlo Américo. Anatomia Humana Sistêmica e Segmentar. 3ed. São Paulo: Atheneu, 2007.
KAWAMOTO, E. E. Anatomia e fisiologia humana. 2ª Ed.rev e ampl. São Paulo: EPU. 2003
Anatomia e Fisiologia Humana / Elaine Cristina Mendes Marques. São Paulo: MARTINARI, 2011.
Profª Me. MÁRCIA PRAIA,  Anatomia e Fisiologia Humana. Amazonas: Manaus, 2016/2017.