SISTEMA RESPIRATÓRIO

1
816

SISTEMA RESPIRATÓRIO

O sistema respiratório ou aparelho respiratório é composto por órgãos responsáveis, basicamente pela absorção do oxigênio do ar pelo organismo e trocas gasosas entre o organismo e o meio ambiente, ou seja é um intercâmbio entre o ar e o sangue, consistindo na absorção de oxigênio (O²) e na eliminação de gás carbônico/desoxigenado (CO²), chamado de hematose pulmonar, possibilitando assim a respiração celular.

Imagem: Reprodução/Internet

respiração é uma das características essenciais dos seres vivos. Resume-se na absorção pelo organismo de oxigênio (O²), e a eliminação do gás desoxigenado/carbônico (Co²) resultante das oxidações celulares. No corpo humano esse processo é realizado pelo sistema respiratório, que fornece o oxigênio (O²) e remove o gás desoxigenado (Co²) do organismo, auxiliando as células no metabolismo atuando em conjunto com o sistema circulatórioO oxigênio, indispensável à produção de energia no corpo, é obtido do ar atmosférico, onde também é eliminado o gás desoxigenado. Um adulto respira, em repouso, uma média de 15 vezes por minuto e ventila, aproximadamente, 6 litros de ar nesse período. 

As trocas gasosas acontecem no organismo humano em diversos níveis: 

  • Entre o sangue e os tecidos do corpo: passando pelos tecidos, o sangue se torna pobre em oxigênio, que entra nas células e torna-se rico em gás carbônico, resíduo de respiração aeróbia realizada por elas;
  • Entre os pulmões e o sangue: transporte dos gases, que se inicia com a difusão do oxigênio do ar dos pulmões para o interior de vasos sanguíneos, sendo a difusão do gás carbônico na direção inversa.

Estruturalmente esse sistema é constituído pelas (vias áreas), tratos respiratórios superior e inferior.

  • O trato respiratório superior é formado por órgãos localizados fora da caixa torácica: Nariz externo, cavidade nasal, faringe, laringe e parte superior da traqueia.
  • O trato respiratório inferior consiste em órgãos localizados na cavidade torácica: Parte inferior da traqueia, brônquios, bronquíolos, alvéolos e pulmões.

O intercâmbio dos gases faz-se ao nível dos pulmões, mas para atingi-los o ar deve percorrer diversas porções de um tubo irregular, que recebe o nome conjunto de vias aeríferas.

Imagem: Reprodução/Internet

Obs: Funcionalmente, o sistema respiratório pode ser dividido em duas partes: porção de condução (vias respiratórias) e porção de respiração.

  • Porção de condução – formada por órgãos tubulares que têm entre suas funções a de transportar o ar inspirado até os pulmões (alvéolos pulmonares) e conduzir o ar expirado, são eles: Nariz, cavidade nasal, laringe, faringe, traqueia, brônquios e bronquíolos.
  • Porção de respiração – constituída por bronquíolos respiratórios, ductos alveolares, sáculos alveolares e pelos alvéolos pulmonares, unidades onde ocorrem as trocas gasosas entre o ar e o sangue, (alojados no pulmão).

ÓRGÃOS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO

NARIZ

O nariz é uma protuberância situada no centro da face, sendo sua parte exterior denominada nariz externo e a escavação que apresenta interiormente conhecida por cavidade nasal. O nariz externo tem a forma de uma pirâmide triangular de base inferior e cuja a face posterior se ajusta verticalmente no 1/3 médio da face. 

Imagem: Reprodução/Internet
O ar entra no trato respiratório através de duas aberturas chamadas Narinas. Em seguida, flui pelas cavidades nasais direita e esquerda, que estão revestidas por mucosa respiratória. O septo nasal separa essas duas cavidades. Os pelos do interior das narinas filtram grandes partículas de poeira que podem ser inaladas. Além disso, a cavidade nasal contêm células receptoras para o olfato.

A cavidade nasal é a escavação que encontramos no interior do nariz, ela é subdividida em dois compartimentos um direito e outro esquerdo. Cada compartimento dispõe de um orifício anterior que é a Narina e um posterior denominado Coana. As coanas fazem a comunicação da cavidade nasal com a faringe. É na cavidade nasal que o ar torna-se condicionado, ou seja, é filtrado, umedecido e aquecido.

Na parede lateral da cavidade nasal encontramos as Conchas Nasais (cornetos) que são divididas em: Superior, Médio e Inferior.

FARINGE

A faringe é um tubo que começa nas coanas e estende-se para baixo no pescoço. Ela se situa logo atrás das cavidades nasais e logo a frente às vértebras cervicais. Sua parede é composta de músculos esqueléticos e revestida de túnica mucosa. A faringe funciona como uma passagem de ar e alimento.A faringe é dividida em três regiões anatômicas: Nasofaringe, Orofaringe e Laringofaringe.

A porção superior da faringe, denominada parte nasal ou Nasofaringe, tem as seguintes comunicações: duas com as coanas, dois óstios faríngeos das tubas auditivas e com a orofaringe. A tuba auditiva se comunica com a faringe através do ósteo faríngeo da tuba auditiva, que por sua vez conecta a parte nasal da faringe com a cavidade média timpânica do ouvido.

A parte intermediária da faringe, a Orofaringe, situa-se atrás da cavidade oral e estende-se do palato mole até o nível do hioide. A parte da orofaringe tem comunicação com a boca e serve de passagem tanto para o ar como para o alimento.

A Laringofaringe estende-se para baixo a partir do osso hioide, e conecta-se com o esôfago (canal do alimento) e anteriormente com a laringe (passagem de ar). Como a parte oral da faringe, a laringofaringe é uma via respiratória e também uma via digestória.

Imagem: Reprodução/Internet

 

LARINGE

A laringe é uma estrutura triangular constituída principalmente de cartilagens, músculos e ligamentos, é um órgão curto que conecta a faringe com a traqueia. Situada na linha mediana do pescoço, diante da quarta, quinta e sexta vértebras cervicais. A Laringe tem três Funções:

  • Atua como passagem para o ar durante a respiração;
  • Produz som/voz (por esta razão é chamada de caixa de voz);
  • Impede que o alimento e objetos estranhos entrem nas estruturas respiratórias (como a traqueia).

A laringe desempenha função na produção de som, que resulta na fonação. Na sua superfície interna, encontramos uma fenda antero-posterior denominada vestíbulo da laringe, que possui duas pregas: prega vestibular (cordas vocais falsas) e prega vocal (cordas vocais verdadeiras). A parede da laringe é composta de nove peças de cartilagens, três ímpares (Cartilagem Tireóidea, Cricoidea e Epiglótica) e três pares (Cartilagem Aritenoidea, Cuneiforme e Corniculada).

  • Cartilagem Tireóidea consiste de cartilagem hialina e forma a parede anterior e lateral da laringe, é maior nos homens devido à influência dos hormônios durante a fase da puberdade. As margens posteriores das lâminas apresentam prolongamentos em formas de estiletes grossos e curtos, denominados cornos superiores e inferiores.
  • Cartilagem Cricoide localiza-se logo abaixo da cartilagem tireoide e antecede a traqueia.
  • Epiglote se fixa no osso hioide e na cartilagem tireoide. A epiglote é uma espécie de “porta” para o pulmão, onde apenas o ar ou substâncias gasosas entram e saem dele. Já substâncias líquidas e sólidas não entram no pulmão, pois a epiglote fecha-se e este dirige-se ao esôfago.
  • Cartilagem Aritenoide articula-se com a cartilagem cricoide, estabelecendo uma articulação do tipo diartrose. As cartilagens aritenoides são as mais importantes, porque influenciam as posições e tensões das pregas vocais (cordas vocais verdadeiras).
  • Cartilagem Corniculada situa-se acima da cartilagem aritenoide.
  • Cartilagem Cuneiforme é muito pequena e localiza-se anteriormente à cartilagem corniculada correspondente, ligando cada aritenoide à epiglote.
Imagem: Reprodução/Internet

 

TRAQUEIA

A traqueia é um tubo de 10 a 12,5 cm de comprimento e 2,5 cm de diâmetro. Constitui um tubo que faz continuação à laringe, penetra no tórax e termina se bifurcando nos 2 brônquios principais. Ela se situa medianamente e anterior ao esôfago, e apenas na sua terminação, desvia-se ligeiramente para a direita.

O arcabouço da traqueia é constituído aproximadamente por 20 anéis cartilagíneos incompletos para trás, que são denominados cartilagens traqueais. Internamente a traqueia é forrada por mucosa, onde abundam glândulas, e o epitélio é ciliado, facilitando a expulsão de mucosidades e corpos estranhos. Inferiormente a traqueia se bifurca, dando origem aos 2 brônquios principais:direito e esquerdo.

A parte inferior da junção dos brônquios principais é ocupada por uma saliência antero-posterior que recebe o nome de carina da traqueia, e serve para acentuar a separação dos 2 brônquios.

Imagem: Reprodução/Internet

 

BRÔNQUIOS

Os brônquios principais fazem a ligação da traqueia com os pulmões, são considerados um direito e outro esquerdo. A traqueia e os brônquios extrapulmonares são constituídos de anéis incompletos de cartilagem hialina, tecido fibroso, fibras musculares, mucosa e glândulas. O brônquio principal direito é mais vertical, mais curto e mais largo do que o esquerdo. Como a traqueia, os brônquios principais contém anéis de cartilagem incompletos.

Os brônquios principais entram nos pulmões na região chamada HILO. Ao atingirem os pulmões correspondentes, os brônquios principais subdividem-se nos Brônquios Lobares.

Os brônquios lobares subdividem-se em Brônquios Segmentares, cada um destes distribuindo-se a um segmento pulmonar. Os brônquios dividem-se respectivamente em tubos cada vez menores denominados Bronquíolos. As paredes dos bronquíolos contém músculo liso e não possuem cartilagem. Os bronquíolos continuam a se ramificar, e dão origem a minúsculos túbulos denominados Ductos Alveolares.

Estes ductos terminam em estruturas microscópicas com forma de uva chamados Alvéolos. Os alvéolos são minúsculos sáculos de ar que constituem o final das vias respiratórias. Um capilar pulmonar envolve cada alvéolo. A Função dos Alvéolos é trocar oxigênio e dióxido de carbono através da membrana capilar alvéolo-pulmonar.

A traqueia, brônquios, bronquíolos e alvéolos formam a chamada árvore brônquica.

Imagem: Reprodução/Internet

 

PULMÕES

Os pulmões humanos são órgãos esponjosos, em forma de cone, com aproximadamente 25 cm de comprimento, os pulmões são órgãos essenciais na respiração. São duas vísceras situadas uma de cada lado, no interior do tórax e onde se dá o encontro do ar atmosférico com o sangue circulante, ocorrendo então, as trocas gasosas (HEMATOSE). Eles estendem-se do diafragma até um pouco acima das clavículas e estão justapostos às costelas. O pulmão direito é o mais espesso e mais largo que o esquerdo. Ele também é um pouco mais curto pois o diafragma é mais alto no lado direito para acomodar o fígado. O pulmão esquerdo tem uma concavidade que é a incisura cardíaca.

Imagem: Reprodução/Internet

 

DIVISÃO MORFOLÓGICA DOS PULMÕES

Ápice do Pulmão: Está voltado cranialmente e tem forma levemente arredondada. Apresenta um sulco percorrido pela artéria subclávia, denominado sulco da artéria subclávia. No corpo, o ápice do pulmão atinge o nível da articulação esterno-clavicular.

Base do Pulmão: A base do pulmão apresenta uma forma côncava, apoiando-se sobre a face superior do diafragma. A concavidade da base do pulmão direito é mais profunda que a do esquerdo (devido à presença do fígado).

O Pulmão Direito apresenta-se constituído por três lobos divididos por duas fissuras. Uma fissura obliqua que separa lobo inferior dos lobos médio e superior e uma fissura horizontal, que separa o lobo superior do lobo médio.

O Pulmão Esquerdo é dividido em um lobo superior e um lobo inferior por uma fissura oblíqua. Anteriormente e inferiormente o lobo superior do pulmão esquerdo apresenta uma estrutura que representa resquícios do desenvolvimento embrionário do lobo médio, a língula do pulmão.

Imagem: Reprodução/Internet

 

PLEURAS PULMONAR

A superfície externa de cada pulmão e a parede interna da caixa torácica são revestidos por uma membrana serosa dupla, chamada pleura. A membrana na superfície externa de cada pulmão é denominada Pleura Visceral, e a que reveste a parede da cavidade torácica é chamada Pleura Parietal.
Entre as pleuras visceral e parietal encontra-se um pequeno espaço, a Cavidade Pleural, que contém pequena quantidade de líquido lubrificante, secretado pelas túnicas. Esse líquido reduz o atrito entre as túnicas, permitindo que elas deslizem facilmente uma sobre a outra, durante a respiração.

Imagem: Reprodução/Internet

 

HILO PULMONAR

A região do hilo localiza-se na face mediastinal de cada pulmão sendo formado pelas estruturas que chegam e saem dele, onde temos: os Brônquios Principais, Artérias Pulmonares, Veias Pulmonares, Artérias e Veias Bronquiais e Vasos Linfáticos.

Os brônquios ocupam posição caudal e posterior, enquanto que as veias pulmonares são inferiores e anteriores. A artéria pulmonar ocupa uma posição superior e mediana em relação a essas duas estruturas. A raiz do pulmão direito encontra-se dorsalmente disposta à veia cava superior. A raiz do pulmão esquerdo relaciona-se anteriormente com o Nervo frênico que posteriormente relaciona-se com o Nervo Vago.

Imagem: Reprodução/Internet

 

FISIOLOGIA DOS MOVIMENTOS RESPIRATÓRIOS

O ar entra pelo nariz e ao passar pela cavidade nasal é aquecido, umidificado e parcialmente filtrado, passando pela faringe, laringe, traqueia, brônquios, bronquíolos até os alvéolos, onde haverá a troca de gases respiratórios com sangue, por difusão, através da parede alveolar e capilar.
Chamamos de inspiração a entrada do ar nos pulmões e expiração o movimento de saída do ar dos pulmões para o meio externo. A respiração é controlada automaticamente por um centro nervoso situado na medula espinal. Em circunstâncias normais o centro nervoso produz impulso nervoso que estimula a contração da musculatura torácica do diafragma, fazendo-nos inspirar.

Imagem: Reprodução/Internet

Obs: A ventilação pulmonar ou respiração é constituída por duas fases: a inspiração e a expiração.

A inspiração é a aspiração do ar para dentro dos pulmões, que acontece através da contração dos músculos da respiração, o diafragma e os intercostais externo. O tamanho dos pulmões é expandido, aumentando assim o volume pulmonar, diminuindo a pressão interna. Antes da inspiração, a pressão interna é igual à atmosférica. Quando há expansão do pulmão, a pressão interna diminui, então a pressão atmosférica torna-se maior e empurra o ar para dentro dos pulmões, constituindo a inspiração

A expiração constitui a saída de ar dos pulmões. É um processo passivo, pois não há contrações musculares. A pressão nos pulmões é maior que a atmosférica, possibilitando que o ar saia passivamente dos pulmões.

Imagem: Reprodução/Internet

 

RESPIRAÇÃO

O processo de respiração consiste de uma série de processos envolvidos no transporte de O2 a partir do ambiente para o sentido anti-horário de células e CO2 em organismos unicelulares esta troca é efectuada somente através da difusão de gases através da membrana celular À medida que o organismo aumenta sua complexidade, as distâncias necessárias para a difusão tornam-se extremamente longas e o processo de transporte de O2 e CO2 torna-se necessariamente mais complexo.

A maioria dos animais depende da respiração mitocondrial para obter o ATP necessário para desempenhar as funções celulares usuais. Durante esse processo, as mitocôndrias oxidam carboidratos, aminoácidos ou ácidos graxos para produzir ATP, consumindo oxigênio e produzindo dióxido de carbono.

Nos humanos, o processo respiratório consiste em 4 fases:

Ventilação Pulmonar; Difusão Aveolocapilar; Transporte de O² e CO² por Sangue e Difusão no nível de tecido.

Imagem: Reprodução/Internet

 

SISTEMAS DE CONTROLE DE RESPIRAÇÃO

A respiração é um processo involuntário, controlado e regulado por centros nervosos localizados no tronco encefálico, tem também controle voluntário e pode ser influenciada por alguns fatores.
Centro nervoso: o controle da respiração é realizado pelo bulbo e ponte, localizados no tronco encefálico. Controlam o ritmo, frequência e duração da inspiração.
Como a expiração é um processo passivo, o seu controle fica inativo na respiração normal, em repouso e só é ativada quando há esforço físico. Esse controle se dá pela transmissão de impulsos nervosos e estímulos químicos. Os nervos contraem os músculos inspiratórios, controlando o ritmo básico da respiração.

Imagem: Reprodução/Internet

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

FREITAS, Valdemar de. Anatomia – Conceitos e Fundamentos. São Paulo: Artmed, 2004.

GARDNER, Ernest. Anatomia: Estudo Regional do Corpo Humano. 4ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1998.

Gray Anatomia. 29.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1988.

MOORE, Keith L; DALLEY, Arthur F. Clinically Oriented Anatomy. 5.ed. Toronto: Lippincott Williams & Wilkins, 2006.

DÂNGELO, José Geraldo; FATTINI, Carlo Américo. Anatomia Humana Sistêmica e Segmentar. 2ed. São Paulo: Atheneu, 2001.

GIRON, P. A. Princípios de Anatomia: atlas e texto. Caxias do Sul, RS: Educs, 2008. CAP. 2.

TORTORA, Gerald J.; GRABOWSKI, Sandra Reynolds. Princípios de Anatomia e Fisiologia. 9ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.

LATARJET, M. Anatomia Humana. 2ed. v.1. São Paulo: Panamericana, 1996.

BRANDÃO, Miriam C. S. Anatomia Sistêmica – Visão Dinâmica para o Estudante. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004.

NETTER, FrankH. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre:Artmed, 2000.

SOBOTTA,Johannes. Atlas de Anatomia Humana. 21ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000. 

Anatomia e Fisiologia Humana / Elaine Cristina Mendes Marques. São Paulo: MARTINARI, 2011.

Profª Me. MÁRCIA PRAIA,  Anatomia e Fisiologia Humana. Amazonas: Manaus, 2016/2017.

http://anatomiaufvjm.blogspot.com.br/