SISTEMA NERVOSO

0
886

SISTEMA NERVOSO

O sistema nervoso é a parte do organismo que coordena todas as funções do corpo humano, armazena todas as informações e permite ao corpo reagir as variações e mudanças dos ambientes do meio (interno e externo), a difundir as modificações que essas variações produzem e a executar as respostas adequadas para que seja mantido o equilíbrio interno do corpo (homeostase). São os sistemas envolvidos na coordenação e regulação das funções corporais. O neurônio é a unidade funcional deste sistema.

Imagem: Reprodução/Internet

 NEURÔNIOS

Os neurônios são unidades estruturais e funcionais do sistema nervoso, são células nervosas especializadas que desempenham o papel de conduzir a transmissão de impulsos nervosos e nas funções, como o pensamento, o controle da atividade muscular e a regulação das glândulas. Portanto os neurônios são as unidades básicas do sistema que processa as informações e estímulos no corpo humano, o neurônio é composto de um corpo celular, dendritos e axônio.

Imagem: Reprodução/Internet

 

CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES DOS NEURÔNIOS

Os neurônios são formados por prolongamentos e um corpo celular constitui a parte ampliada do neurônio, soma conhecido também como pericário. É no corpo celular que estão localizadas as informações genéticas em um grande núcleo e de onde partem os prolongamentos. No SNC (Sistema Nervoso Central), essa parte do neurônio é localizada na substância cinzenta, enquanto no SNP (Sistema Nervoso Periférico), está localizado nos gânglios e em órgãos dos sentidos, os prolongamentos podem ser de dois tipos: dendritos e o axônio.

Os dendritos são ramificações citoplasmáticas, prolongamentos mais curtos quando comparados ao axônio, e apresentam-se bastantes ramificados e numerosos. Eles estão relacionados com a função de receber e conduzir os impulsos em direção ao corpo celular (terminação aferente).
Já os axônios normalmente são únicos, com ramificações geralmente em sua extremidade. Esse prolongamento pode atingir até 1 metro de comprimento e está relacionado com a transmissão do impulso nervoso (prolongamento eferente). Na maior parte dos casos, essa estrutura está envolta por uma bainha de mielina, que é formada por oligodendrócitos ou células de Schwann. Essa estrutura não é contínua por todo o axônio, ocorrendo áreas sem mielina, que são denominadas de nódulo de Ranvier. 

SINAPSE

A sinapse é o local de contato (comunicação) entre dois neurônios. A transferência do impulso nervoso nas sinapses ocorre graças aos neurotransmissores. Estes são biomoléculas (substâncias químicas), produzidas pelos neurônios e armazenados nas vesículas sinápticas (bolsas presentes nas extremidades dos axônios).

Imagem: Reprodução/Internet

 

DIVISÃO DO SISTEMA NERVOSO

SNC (Sistema Nervoso Central), é composto pelo encéfalo e medula espinal e o SNP (Sistema Nervoso Periférico), é composto pelo tecido nervoso localizado fora do sistema nervoso central.

Divisão do Sistema Nervoso com base em critérios anatômicos e funcionais

SNC recebe, analisa e integra informações, é o local onde ocorre a tomada de decisões e o envio de ordens.  Constituído pelo encéfalo e pela medula espinal.

SNP carrega informações dos órgãos sensoriais para o sistema nervoso central e do sistema nervoso central para os órgãos efetores (músculos e glândulas).

 

SISTEMA NERVOSO CENTRAL

Parte do SN de recepção de estímulo, de comando e formador de respostas. As principais funções do SNC são: integrar e coordenar a entrada e saída dos sinais neurais e executar funções, como pensar, aprender e memorizar.

O Sistema Nervoso Central, é constituído pelo encéfalo e pela medula espinal, no SNC é composto por duas substâncias chamadas substâncias cinzenta e branca. A substância cinzenta é formada pelos corpos dos neurônios e neuroglias, e a substância branca é formada por seus prolongamentos (dendritos, axônios e neuroglias) que são vias de transmissão do impulso nervoso. Com exceção do bulbo e da medula, a substância cinzenta ocorre mais externamente e a substância branca, mais internamente.

Os órgãos do SNC são protegidos por estruturas esqueléticas (caixa craniana, protegendo o encéfalo; e a coluna vertebral, protegendo a medula – também denominada raque) e por membranas denominadasmeninges, situadas sob a proteção esquelética: dura-máter (a externa), aracnóide (a do meio) e pia-máter (a interna), entre as meninges aracnóide e pia-máter há um espaço preenchido por um líquido denominado, líquido cefalorraquidiano ou líquor.

PRINCIPAIS DIVISÕES DO SNC

 

ENCÉFALO

O encéfalo é o centro do Sistema Nervoso em todos os seres, localizado dentro do esqueleto axial (cavidade craniana e canal vertebral). Nos mamíferos encéfalo é dividido em: Telencéfalo (cérebro), Diencéfalo (tálamo e hipotálamo), Mesencéfalo (teto), Metencéfalo (ponte e cerebelo) e Mielencéfalo (bulbo). O encéfalo, que pesa aproximadamente 1,5 quilo, apresenta três órgãos principais: o cérebrocerebelo e o tronco encefálico.

Imagem: Reprodução/Internet

 

CÉREBRO

É o órgão mais importante do sistema nervoso, protegido pelas meninges: pia-máter, dura-máter e aracnóide é considerado o órgão mais volumoso, pois ocupa a maior parte do encéfalo, o cérebro está dividido em duas partes simétricas: o hemisfério direito e o hemisfério esquerdo. A camada mais externa do cérebro e cheia de reentrâncias, chama-se córtex cerebral, o responsável pelo pensamento, visão, audição, tato, paladar, fala, escrita, etc.

O cérebro é responsável por executar todas as ações de nosso corpo, e é dividido em dois hemisférios, a grosso modo pode-se dizer que, o lado esquerdo controla os pensamentos analíticos, enquanto o lado direito os criativos.

CEREBELO

O termo cerebelo deriva do latim e significa “pequeno cérebro”. O cerebelo é a parte do encéfalo responsável pela manutenção do equilíbrio, coordenação dos movimentos precisos do corpo, pelo controle do tônus muscular, dos movimentos voluntários, e aprendizagem motora. Dependemos do cerebelo para andar, correr, pular, andar de bicicleta, entre outras atividades. É formado por 2 hemisférios os hemisférios cerebelares e por uma parte central, chamada de Vermis.

O cerebelo, órgão do sistema nervoso supra-segmentar, situado dorsalmente ao bulbo e à ponte, contribuindo para a formação do tecto do IV ventrículo. Repousa sobre a fossa cerebelar do osso occipital e está separado do lobo occipital por uma prega da dura-máter denominada tenda do cerebelo.

TRONCO ENCEFÁLICO

Formado pelo diencéfalomesencéfaloponte e bulbo ou medula oblonga, o tronco encefálico situa-se ventralmente ao cerebelo, ou seja, conecta a medula espinal com as estruturas encefálicas localizadas superiormente. O tronco encefálico é responsável de conduzir os impulsos nervosos do cérebro para a medula espinhal e vice-versa. Muitos dos núcleos do tronco encefálico recebem ou imitem fibras nervosas que entram na constituição dos nervos cranianos, dos 12 pares de nervos cranianos, 10 fazem conexão com o tronco encefálico.

O tronco encefálico atua junto com a medula espinhal para controlar as funções vitais, como o batimento regular do coração, a pressão sanguínea e a respiração. Mas a função mais importante do tronco encefálico é controlar a consciência, desligando as atividades do cérebro quando dormimos e ligando quando acordamos. Mesmo quando dormimos o tronco encefálico controla e confere nossas atividades vitais, mantendo o corpo funcionando.

O tronco encefálico trabalha como um computador, continuamente conferindo e controlando as informações que entram no cérebro através do sistema nervoso; em seguida ele age em cima dessa informação liberando as mensagens para que o sistema nervoso controle o corpo inteiro. Não tomamos consciência de todas essas atividades; podemos apenas notar seus efeitos. O tronco encefálico controla funções, como a respiração, automaticamente.

MEDULA ESPINHAL

medula espinhal ou medula espinal é uma extensão do cérebro, estendendo-se da base do crânio até logo abaixo das costelas. E uma haste de tecido cerebral, com um pequeno canal passando através de todo seu comprimento. A medula espinhal é o centro dos arcos reflexos. Encontra-se organizada em segmentos (região cervical, lombar, sacral, caudal, raiz dorsal e ventral). É uma estrutura subordinada ao cérebro, porem pode agir independente dele. Sua função é conduzir os impulsos nervosos do restante do corpo para o cérebro e coordenar os atos involuntários (reflexos).

Imagem: Reprodução/Internet

 

 SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO

O sistema nervoso periférico SNP é a parte do sistema nervoso que se encontra fora do sistema nervoso central SNC, conduz impulsos de e para o encéfalo e medula espinhal. É composto por fibras (nervos), pelos 12 pares de nervos cranianos, 31 pares de nervos espinais e os gânglios, que são os corpos dos neurônios e órgãos terminais, formando o sistema nervoso central. Sua função é conectar o sistema nervoso central com as outras partes do corpo humano.

NERVOS

Nervos são feixes resultantes dos prolongamentos dos neurônios (dendritos ou axônios) que são as fibras nervosas, revestidos por tecido conjuntivo. Os nervos fazem parte do sistema nervoso periférico, encarregam-se de fazer as ligações entre o sistema nervoso central e o corpo.

ESTRUTURA DOS NERVOS

Os nervos são estruturas filamentosas, ou seja, cabos ou feixes de fibras nervosas, constituído de axônios (fibras motoras) e dendritos (fibras sensitivas), revestidos de tecido conjuntivo (endoneuro, perineuro, epineuro). Em outras palavras, os nervos são considerados apêndices dos axônios das células nervosas os quais fazem as ligações entre o sistema nervoso e o corpo humano.

TIPOS DE NERVOS

  • Nervos Aferentes: Formado por nervos sensitivos, os nervos aferentes enviam sinais da periferia da corpo para o sistema nervoso central por meio de sinais (fibras) sensoriais.
  • Nervos Eferentes: Chamados de nervos (fibras) motores, os nervos eferentes enviam sinais do sistema nervoso central para os músculos ou glândulas através de sinais estimulantes.
  • Nervos Mistos: Nesse caso, os nervos são formados por fibras sensoriais e fibras motoras, por exemplo, os nervos raquidianos.

CLASSIFICAÇÃO DOS NERVOS

Enquanto o sistema nervoso central é formado pelo encéfalo e pela medula espinal, o sistema nervoso periférico é constituído pelos nervos que saem do encéfalo, chamados de nervos cranianos (12 pares) e os nervos originados na medula espinhal, chamados de nervos raquidianos ou espinhais (31 pares).

 GÂNGLIOS NERVOSOS

Gânglio nervoso é o aglomerado de corpos celulares de neurônios encontrado fora do sistema nervoso central, e apresenta-se geralmente como uma dilatação, (dentro do sistema nervoso central, estes aglomerados são conhecidos como núcleos).

Imagem: Reprodução/Internet

Obs: É importante destacar que existem dois tipos de nervos: os cranianos e os raquidianos/espinhais.

 

PRINCIPAIS DIVISÕES DO SNP

 

NERVOS CRANIANOS

Nervos cranianos são os que fazem conexão com o encéfalo. No corpo humano existem 12 pares de nervos cranianos e recebem uma nomenclatura específica, sendo numerados em algarismos romanos, de acordo com a sua origem aparente, no sentido rostrocaudal.
Nas últimas décadas, ficou comprovado que o SNP (Sistema Nervoso Periférico), possui três tipos de nervos e de acordo com o componente funcional, os nervos cranianos podem ser classificados em: Sensitivos, Motores e Mistos.

Imagem: Reprodução/Internet

 

1 – NERVOS SENSITIVOS
São os nervos que transmitem os impulsos nervosos do órgão receptor até a sistema nervoso central. Por exemplo, você encosta o dedo em uma panela quente e, sem perceber, sente o calor e instantaneamente, você retira o dedo por causa do calor. Nervos sensitivos, assim, são “nervos que sentem”.

Os Sensitivos (puros) destinam-se aos órgãos dos sentidos e por isso são chamados sensoriais e não apenas sensitivos, que não se referem à sensibilidade geral (dor, temperatura e tato).

I – Nervo Olfatório

II – Nervo Óptico

VIII – Nervo Vestibulococlear

2 – NERVOS MOTORES
Conduzem o impulso codificado no encéfalo (sistema nervoso central) até ao órgão efetor. Em outras palavras, quando você levanta uma perna, você está fazendo com que o cérebro envie esta mensagem para a perna, a fim de movimentá-la. Como o próprio nome já diz, nervos motores são nervos que realizam o movimento.

Os Motores (puros) são os que movimentam o olho, a língua e acessoriamente os músculos látero-posteriores do pescoço.

III – Nervo Oculomotor

IV – Nervo Troclear

VI – Nervo Abducente

XI – Nervo Acessório

XII – Nervo Hipoglosso

3 – NERVOS MISTOS
Possuem as funções dos dois primeiros, ou seja, são tanto nervos sensitivos como nervos motores.

Os Mistos (motores e sensitivos)

V – Trigêmeo

VII – Nervo Facial

IX – Nervo Glossofaríngeo

X – Nervo Vago

Imagem: Reprodução/Internet

 

TABELA FUNCIONAL DOS 12 PARES DE NERVOS CRANIANOS

NERVOTIPOFUNÇÃO
I - OlfatórioSensitivoFibras sensitivas transmitem impulsos relacionados ao sentido do olfato.
II - ÓpticoSensitivoFibras sensitivas transmitem impulsos relacionados à visão.
III - OculomotorMotorFibras motoras transmitem impulsos que elevam as pálpebras, movem os olhos, ajustam a quantidade de luz que penetra no olho e foca o cristalino. Algumas fibras sensitivas transmitem impulsos relacionados às condições dos músculos.
IV - TroclearMotorFibras motoras transmitem impulsos aos músculos que movem os olhos. Algumas fibras sensitivas transmitem impulsos relacionados às condições dos músculos.
V - Trigêmeo

Oftálmico

Maxilar

Mandibular
Misto

Sensitivo

Sensitivo

Misto
Fibras sensitivas transmitem impulsos provenientes dos olhos, glândulas lacrimais, couro cabeludo, fronte e pálpebras superiores.

Fibras sensitivas transmitem impulsos provenientes dos dentes superiores, da gengiva superior, do lábio superior, do palato e da pele da face.

Fibras sensitivas transmitem impulsos provenientes do couro cabeludo, dos dentes inferiores, da gengiva inferior, do lábio inferior e da pele da mandíbula. Fibras motoras transmitem impulsos aos músculos da mastigação.
VI - AbducenteMotorFibras motoras transmitem impulsos aos músculos que movem os olhos. Algumas fibras sensitivas transmitem impulsos relacionados às condições dos músculos.
VII - FacialMistoFibras sensitivas transmitem impulsos relacionados à gustação. Fibras motoras transmitem impulsos aos músculos da expressão facial e às glândulas lacrimais e salivares.
VIII -VestibulococlearSensitivoFibras sensitivas transmitem impulsos relacionados ao equilíbrio.
Fibras sensitivas transmitem impulsos relacionados ao sentido da audição.
IX - GlossofaríngeoMistoFibras sensitivas transmitem impulsos provenientes da faringe, das tonsilas, da língua e das artérias carótidas. Fibras motoras transmitem impulsos aos músculos da faringe utilizados na deglutição e às glândulas salivares.
X - VagoMistoFibras sensitivas transmitem impulsos provenientes da faringe, da laringe, do esôfago e das vísceras do tórax e do abdome. Fibras motoras somáticas transmitem impulsos aos músculos associados à fala e a deglutição. Fibras motoras autônomas transmitem impulsos ao coração e aos músculos lisos e glândulas das vísceras torácicas e abdominais.
XI - Acessório

Raiz Craniana

Raiz Espinal
MotorFibras motoras transmitem impulsos aos músculos da faringe, da laringe e do palato mole.

Fibras motoras transmitem impulsos aos músculos do pescoço e da nuca.
XII - HipoglossoMotorFibras motoras transmitem impulsos aos músculos que movem a língua.

 

NERVOS ESPINAIS/RAQUIDIANOS

O nervo espinal ou nervo raquidiano são aqueles que fazem conexão com a medula espinal. O nervo espinal misto é formado pelas raízes dorsal e ventral, os ramos de um nervo espinal podem juntar-se a outros nervos para formar redes denominadas plexos, nos quais as informações são partilhadas. Os plexos enviam sinais ao longo de ramos nervosos secundários para áreas de função ou movimento complexos. O nervo espinal é a porção que passa para fora das vértebras através do forame intervertebral. E são responsáveis pela inervação do tronco, dos membros superiores e partes da cabeça. São ao todo 31 pares, 33 se contados os dois pares de nervos coccígeos vestigiais, que correspondem aos 31 segmentos medulares existentes.

São eles:

  • 8 pares de Nervos Cervicais
  • 12 pares de Nervos Torácicos
  • 5 pares de Nervos Lombares
  • 5 pares de Nervos Sacrais
  • 1 pares de Nervos Coccígeos

Imagem: Reprodução/Internet

 

PLEXO NERVOSO

Plexo nervoso é uma expressão que se origina do latim plexu que significa “enlaçamento ou caixas de ligação nervosa = os plexos”, designando na anatomia a rede de vasos ou nervos, nesse caso nervos do sistema nervoso periférico e autônomo. O plexo nervoso é uma rede de nervos entrecruzados semelhante a uma caixa de distribuição eléctrica numa casa.

Imagem: Reprodução/Internet

PRINCIPAIS PLEXOS NERVOSOS

Plexo cervical é formado pelos ramos ventrais dos quatro nervos cervicais superiores, inerva alguns músculos do pescoço, o diafragma e áreas da pele na cabeça, pescoço e tórax.

Plexo braquial é formado por ramos anteriores dos quatro nervos espinhais cervicais inferiores (C5, C6, C7, C8) e do primeiro torácico (T1). O membro superior é inervado pelo plexo braquial situado no pescoço e na axila.

Plexo lombar é formado pelos ramos ventrais dos três primeiros nervos lombares e pela maior parte do quarto nervo lombar (L1, L2, L3 e L4) e um ramo anastomótico de T12, dando um ramo ao plexo sacral.

Plexo sacral é formado pelos ramos ventrais dos nervos espinhais sacrais e coccígeos. Os ramos ventrais dos quatro nervos sacrais superiores penetram na pelve através do forames sacrais anteriores, o quinto nervo sacral penetra entre o sacro e o cóccix e os coccígeos abaixo do cóccix, formam os plexos sacral e coccígeo.

Plexo lombosacral inervam os membros pélvicos. São formados por ramos ventrais dos últimos nervos lombares e pelos primeiros dois ou três nervos sacrais. A intumescência que origina este plexo é a intumescência sacral.

Obs: Sendo assim o conjunto de nervos cranianos e raquidianos formam o Sistema Nervoso Periférico.

Com base na estrutura e função o Sistema Nervoso Periférico, pode ainda subdividir-se em duas partes: O Sistema Nervoso Somático e o Sistema Nervoso Autônomo ou de Vida Vegetativa. As ações voluntárias resultam da contração de músculos estriados esqueléticos, que estão sob o controle do sistema nervoso periférico voluntário ou somático. Já as ações involuntárias resultam da contração das musculaturas lisa e cardíaca, controladas pelo sistema nervoso periférico autônomo, também chamado involuntário ou visceral.

 

SISTEMA NERVOSO SOMÁTICO

O  SNS (Sistema Nervoso Somático), é composto por neurônios que estão submetidos ao controle consciente para gerar ações motoras voluntárias, constituído por fibras motoras que conduzem impulsos do sistema nervoso central aos músculos esqueléticos. O corpo celular de uma fibra motora do SNP voluntário fica localizado dentro do SNC e o axônio vai diretamente do encéfalo ou da medula até o órgão que inerva.  Transmite a informação proveniente dos órgãos dos sentidos ao sistema nervoso central e transporta mensagens do sistema nervoso central para os músculos que permitem mover o esqueleto estando implicado nos movimentos corporais.

O SNP Voluntário ou Somático tem por principal funçãoreagira estímulos provenientes do ambiente externo, sendo responsável pelo controle dos movimentos musculares voluntários como os movimentos do dedos dos pés, dos olhos, dos braços. Os movimentos dos músculos, com as suas contrações e distensões, permitem a execuçãodemovimentos visíveis da cabeça, tronco e dos membros, se forem músculos esqueléticos; e proporcionam os movimentos de contração e distensão das vísceras e dos órgãos internos, se forem músculos lisos.

 

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

O SNP Autônomo ou Visceral, é a parte do sistema nervoso que está relacionado ao controle da vida vegetativa, ou seja, controla funções como a respiração, circulação do sangue, controle de temperatura e digestão, como o próprio nome diz, funciona independentemente de nossa vontade e tem por função regular o ambiente interno do corpo, controlando a atividade dos sistemas digestório, cardiovascular, excretor e endócrino. Ele contém fibras nervosas que conduzem impulsos do sistema nervoso central aos músculos lisos das vísceras e à musculatura do coração. Um nervo motor do SNP autônomo difere de um nervo motor do SNP voluntário pelo fato de conter dois tipos de neurônios, um neurônio pré-ganglionar e outro pós-ganglionar. O corpo celular do neurônio pré-ganglionar fica localizado dentro do SNC e seu axônio vai até um gânglio, onde o impulso nervoso é transmitido sinapticamente ao neurônio pós-ganglionar. O corpo celular do neurônio pós-ganglionar fica no interior do gânglio nervoso e seu axônio conduz o estímulo nervoso até o órgão efetuador, que pode ser um músculo liso ou cardíaco.

O SNA (Sistema Nervoso Autônomo) é composto por duas porções distintas: Simpático e Parassimpático, cujas ações são antagônicas. Estas duas vertentes atuam normalmente em simultâneo sendo do equilíbrio entre a força de ação de cada uma delas (tônus) que nasce a extrema capacidade regulatória do SNA, essas ações estendem-se a diversos domínios biofisiológicos do nosso organismo, incluindo o débito sanguíneo pelos tecidos. Um corrige os excessos do outro. Por exemplo, se o sistema simpático acelera demasiadamente as batidas do coração, o sistema parassimpático entra em ação, diminuindo o ritmo cardíaco. Se o sistema simpático acelera o trabalho do estômago e dos intestinos, o parassimpático entra em ação para diminuir as contrações desses órgãos.

SNP autônomo simpático: De modo geral, estimula ações que mobilizam energia, permitindo ao organismo responder a situações de estresse. Por exemplo, o sistema simpático é responsável pela aceleração dos batimentos cardíacos, pelo aumento da pressão arterial, da concentração de açúcar no sangue e pela ativação do metabolismo geral do corpo. O Simpático tem ação essencialmente vasoconstritora, mediante a libertação do neurotransmissor norepinefrina (vasocontritor) pelos seus botões terminais, ao contrário do Parassimpático.

SNP autônomo parassimpático: Estimula principalmente atividades relaxantes, como as reduções do ritmo cardíaco e da pressão arterial, entre outras do Parassimpático que tem ação vasodilatadora mediante a libertação de acetilcolina.

Imagem: Reprodução/Internet

 

RESUMO DO SISTEMA NERVOSO

É no SNC (Sistema Nervoso Central), que ocorrem nossos pensamentos e emoções é lá que ficam arquivadas nossas memórias, é onde ocorre todo tipo de estímulo sensitivo.

O SNP (Sistema Nervoso Periférico), composto pelos nervos do crânio e suas ramificações, controla a entrada e saída de estímulos nervosos em nossos órgãos e sistemas. Subdivide-se em sistema nervoso somático, sistema autônomo e sistema nervoso entérico (funcionamento involuntário).

O SNS (Sistema Nervoso Somático) é o responsável pela transmissão das informações de nossos sentidos (audição, visão, paladar, olfato) ao SNC (Sistema Nervoso Central) é responsável também por conduzir os impulsos nervosos do SNC aos músculos esqueléticos. No caso das respostas motoras, esta ação será voluntária, pois pode ser controlada conscientemente.

O SNA (Sistema Nervoso Autônomo) envia informações de órgãos viscerais, tais como pulmão e estômago, ao SNC. Envia também impulsos nervosos do SNC ao músculo liso, músculo cardíaco e glândulas. Sua ação é involuntária, pois não depende de nossa vontade. Por exemplo, nosso coração continua batendo mesmo quando estamos dormindo profundamente.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

FREITAS, Valdemar de. Anatomia – Conceitos e Fundamentos. São Paulo: Artmed, 2004.

GARDNER, Ernest. Anatomia: Estudo Regional do Corpo Humano. 4ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1998.

Gray Anatomia. 29.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1988.

MOORE, Keith L; DALLEY, Arthur F. Clinically Oriented Anatomy. 5.ed. Toronto: Lippincott Williams & Wilkins, 2006.

DÂNGELO, José Geraldo; FATTINI, Carlo Américo. Anatomia Humana Sistêmica e Segmentar. 2ed. São Paulo: Atheneu, 2001.

GIRON, P. A. Princípios de Anatomia: atlas e texto. Caxias do Sul, RS: Educs, 2008. CAP. 2.

TORTORA, Gerald J.; GRABOWSKI, Sandra Reynolds. Princípios de Anatomia e Fisiologia. 9ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.

LATARJET, M. Anatomia Humana. 2ed. v.1. São Paulo: Panamericana, 1996.

BRANDÃO, Miriam C. S. Anatomia Sistêmica – Visão Dinâmica para o Estudante. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004.

NETTER, FrankH. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre:Artmed, 2000.

SOBOTTA,Johannes. Atlas de Anatomia Humana. 21ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000. 

Anatomia e Fisiologia Humana / Elaine Cristina Mendes Marques. São Paulo: MARTINARI, 2011.

Profª Me. MÁRCIA PRAIA,  Anatomia e Fisiologia Humana. Amazonas: Manaus, 2016/2017.

http://anatomiaufvjm.blogspot.com.br/