SISTEMA MUSCULAR

2
1961

SISTEMA MUSCULAR

O Sistema Muscular é formado pelo conjunto de músculos que permite a movimentação do esqueleto, fazendo parte ativa do sistema locomotor (esquelético), os músculos são estruturas que movem os segmentos do corpo por contração, ou seja, encurtamento da distância das extremidades fixadas. Existem mais de 600 músculos no corpo humano, variando entre 600 a 657. Juntos eles representam de 40 a 50% do peso total de uma pessoa. Os músculos são capazes de transformar energia química em energia mecânica.

Cada músculo é formado por diversas fibras musculares que são células alongadas e estreitas, e portanto quanto maior a quantidade de fibras, maior será a força que o músculo poderá exercer. Possui também um tecido conjuntivo que recobre sua estrutura estrutura e órgãos, chamada fáscia, além de exercer a função de unir os músculos e separá-los em grupos funcionais. O músculo possui ainda um cordão de tecido conjuntivo denso, chamado de tendão, cuja função é fixá-lo a um osso.

Imagem: Reprodução/Internet

Os músculos tem a capacidade de aumentar ou diminuir seu comprimento. A contração é sua principal atividade, juntamente com o exercício do relaxamento e por meio desses mecanismos, desempenha outras funções como manter a postura corporal, proteger os órgãos internos e controlar seu volume, produzir calor e manter a temperatura do corpo.

CARACTERÍSTICAS MUSCULAR

  • Excitabilidade: Caracterizado pela capacidade que o músculo possui de receber e responder a estímulos;
  • Contratibilidade: caracterizado pela capacidade que o músculo possui de contrair-se, ou seja, de encurtar-se e espessar-se;
  • Extensibilidade: Caracterizado pela capacidade que o músculo possui de estender-se;
  • Elasticidade: Caracterizado pela capacidade que o músculo possui de voltar a sua forma inicial após o movimento de contração e extensão.

Essas características são importantes para a compreensão do funcionamento desse sistema.

O músculo vivo é de cor vermelha, essa coloração denota a existência de pigmentos e de grande quantidade de sangue nas fibras musculares. A parte da anatomia responsável por estudar os músculos e seus anexos é denominada miologia.

ELEMENTOS DO MÚSCULO

VENTRE MUSCULAR: É a Parte carnosa do músculo, constituída por fibras musculares, responsáveis pela contração exercida pelo mesmo.

Imagem: Reprodução/Internet

 

TENDÃO: São as extremidades dos músculos, através das quais os músculos se fixam ao esqueleto ou em qualquer outra estrutura. Os tendões podem ser: fusiformes ou laminares. Os laminares, em algumas regiões podem ser denominados de aponeuroses.

Imagem: Reprodução/Internet

 

APONEUROSE (Tendão Laminar): Aponeurose é uma estrutura formada por tecido conjuntivo. Membrana que envolve grupos musculares, geralmente apresenta-se em forma de lâminas ou em leques.

Imagem: Reprodução/Internet

 

FÁSCIA MUSCULAR: Tecido conjuntivo de revestimento que recobre o músculo, aumentando sua resistência e permitindo que a contração muscular seja mais eficiente.

Imagem: Reprodução/Internet

 

SEPTOS INTERMUSCULARES: São projeções profundas da fáscia muscular que separam nos membros os diversos grupos musculares.

Imagem: Reprodução/Internet

 

COMPONENTES DO TECIDO CONJUNTIVO

Fáscia Superficial: Separa os músculos da pele.

Epimísio: É a camada mais externa de tecido conjuntivo, circunda todo o músculo.

Perimísio: Circunda grupos de 10 a 100 ou mais fibras musculares individuais, separando-as em feixes chamados fascículos. Os fascículos podem ser vistos a olho nu.

Endomísio: É um fino revestimento de tecido conjuntivo que penetra no interior de cada fascículo e separa as fibras musculares individuais de seus vizinhos.

Imagem: Reprodução/Internet

 

FUNÇÕES DO MÚSCULO

Produção dos Movimentos Corporais: Movimentos globais do corpo, como andar e correr.

Estabilização das Posições Corporais: A contração dos músculos esqueléticos estabilizam as articulações e participam da manutenção das posições corporais, como a de ficar em pé ou sentar.

Regulação do Volume dos Órgãos: A contração sustentada das faixas anelares dos músculos lisos (esfíncteres) pode impedir a saída do conteúdo de um órgão oco.

Movimento de Substâncias dentro do Corpo: As contrações dos músculos lisos das paredes vasos sanguíneos regulam a intensidade do fluxo. Os músculos lisos também podem mover alimentos, urina e gametas do sistema reprodutivo. Os músculos esqueléticos promovem o fluxo de linfa e o retorno do sangue para o coração.

Produção de Calor: Quando o tecido muscular se contrai ele produz calor e grande parte desse calor liberado pelo músculo é usado na manutenção da temperatura corporal.

INSERÇÕES MUSCULARES

Origem (Inserção proximal): A origem geralmente é a extremidade proximal do músculo e que permanece fixa durante a contração, ou seja, é a extremidade presa ao osso que não se desloca (ponto fixo). Ex: Bíceps, Quadríceps, etc.

Imagem: Reprodução/Internet

Inserção distal: A inserção é a extremidade distal do músculo que se movimenta durante a contração, ou seja, é a extremidade presa ao osso que se desloca (ponto móvel). Ex: Flexor Longo dos Dedos, etc.

Imagem: Reprodução/Internet

 

TIPOS DE MÚSCULOS

O sistema muscular é constituído de uma enorme variedade de músculos espalhados por todo o corpo humano, apresentando diversas funções, tamanhos e formas.

Esses músculos são classificados em 3 tipos: Músculo estriado ou esquelético, músculo cardíaco e músculo liso ou visceral.

MÚSCULO ESQUELÉTICO

São também denominados de estriados, pois visto na microscopia possuem estrias transversais; Se prendem no esqueleto ósseo, daí o seu nome. Os músculos obedecem ao sistema nervoso somático (voluntário), portanto sobre o nosso comando.

Para que ocorra a contração da fibra muscular esquelética, é necessário que ela seja estimulada por uma corrente elétrica, denominada potencial de ação muscular. Essa contração requer muito gasto de energia, ou seja, há grandes quantidades de nutrientes e oxigênio envolvidos nesse processo que são transportados por uma artéria e uma ou duas veias que acompanham cada nervo que penetra no músculo. Então podemos dizer que são estriados voluntários esqueléticos.

MÚSCULO LISO ou VISCERAL

Os músculos lisos recebem esse nome, em virtude de não possuírem estrias transversais; Localizado nos vasos sanguíneos, vias aéreas (para os pulmões) e maioria dos órgãos da cavidade abdômino-pélvica (vísceras ocas, estômago, bexiga urinária, útero e intestino), sendo por isso conhecido como liso ou visceral. Localizam-se também nos músculos eretores do pelo e nos músculos intrínsecos do olho, nesse caso são chamados de tecido muscular multiunitário. Comandado pelo sistema nervoso autônomo (involuntário), por isso realizam movimentos involuntários.

A contração dessas fibras pode ocorrer em resposta a impulsos nervosos do SNA e aos hormônios, aos fatores locais, como o pH, nível de O² e de dióxido de carbono, temperatura e concentrações iônicas. A duração dessa contração pode ser maior que no músculo esquelético, as fibras musculares lisas podem distender-se sem desenvolver tensão. Portanto, dizemos que são músculos lisos involuntários viscerais.

MÚSCULO CARDÍACO

Este músculo é uma exceção à regra, pois apesar de possuir estrias transversais, esta musculatura forma a maior parte da parede de uma víscera ( o coração) por esse motivo é considerado diferenciado e tem o seu comando pelo sistema nervoso autônomo (involuntário).

As fibras musculares cardíacas formam duas redes separadas. A primeira é formada pelas paredes musculares e pelas câmaras superiores (átrios); a segunda é formada pelas paredes musculares e pelas câmaras inferiores (ventrículos). A ligação entre as fibras e redes é feita pelo disco intercalar. Dessa forma, as fibras ramificam-se livremente e são conectadas pelas junções comunicantes.

O tecido muscular cardíaco se contrai e relaxa rapidamente, contínua e ritmicamente. Quando uma única fibra da rede é estimulada, todas as demais são automaticamente estimuladas, assim cada rede se contrai como uma unidade funcional. A energia é suprida por grandes e numerosas mitocôndrias. Sendo por isso é denominado de estriado involuntário cardíaco

Fonte imagem: www.anatomiaresumida.com

 

CLASSIFICAÇÃO MORFOLÓGICA DO MÚSCULO

BASEADO NA FORMA

Os músculos são classificados de várias formas. As mais comumente empregadas são as que o fazem em relação à forma do músculo e ao arranjo de suas fibras e, as extremidades e ao ventre muscular.

Fusiforme: Quando possui forma de um fuso, sendo estreitado nas extremidades e alargado no centro. Como por exemplo, o bíceps braquial.

Imagem: Reprodução/Internet

Largo: Quando o comprimento e a largura se equivalem.

Imagem: Reprodução/Internet

Longo: Quando o comprimento é maior que a largura.

Imagem: Reprodução/Internet

Leque: Quando o músculo possui a forma de um leque.

Imagem: Reprodução/Internet

Triangular: Quando tem a forma de um triangulo.

Imagem: Reprodução/Internet

 

BASEADO NA DISPOSIÇÃO DA FIBRA

Quando as fibras musculares se dispõem em sentido oblíquo ao tendão muscular, o músculo apresenta a forma de uma pena, sendo por isso denominado de peniforme.

Unipenado: Quando possui apenas fibras de um lado do tendão.

Imagem: Reprodução/Internet

Bipenado: Quando possui fibras dos dois lados do tendão.

Imagem: Reprodução/Internet

Multipenado: Quando possui fibras que convergem de várias regiões.

Imagem: Reprodução/Internet

 

BASEADO NA QUANTIDADE DE TENDÕES DE INSERÇÃO DISTAL

Unicaudado: Quando possui uma só inserção distal.

Fonte Imagem: www.anatomiaresumida.com

Bicaudado: Quando possui dois tendões de inserção distal.

Fonte Imagem: www.anatomiaresumida.com

Policaudado: Aquele que possui acima de duas inserções distais.

Imagem: Reprodução/Internet

 

BASEADO NA QUANTIDADE DE VENTRES MUSCULARES

Geralmente os músculos possuem apenas um ventre muscular (gástrico/barriga). Porem, alguns músculos apresentam tendões intermediários separando o ventre muscular. Apesar da aparência de dois ou mais músculos, atua funcionalmente como um músculo único.

Unigástrico: Quando possui apenas um ventre muscular, sendo este caso o caso da maioria dos músculos.

Imagem: Reprodução/Internet

Digástrico: Quando apresenta dois ventres musculares com um tendão intermediário.

Fonte Imagem: www.anatomiaresumida.com

Poligástrico: Quando possui mais de dois ventres muscular, sendo este o caso da maioria dos músculos.

Imagem: Reprodução/Internet

 

CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL DO MÚSCULO

Músculos agonistas: Os músculos principais executam a ação de um movimento específico do corpo, eles se contraem ativamente para produzir um movimento desejado. Ex: Pegar uma chave sobre a mesa, agonistas são os flexores dos dedos.

Imagem: Reprodução/Internet

Músculos antagonistas: O antagonista realiza movimento contrário ao agonista. Para que haja a ação é necessário que o agonista se contraia e o antagonista relaxe; Ex: Se executarmos contração no agonista e no antagonista ao mesmo tempo (Isometria muscular), a ação fica bloqueada e o movimento não é executado.

Músculos sinergistas: Alguns músculos facilitam a ação dos músculos agonistas, bloqueando movimentos indesejáveis. Ex: Ao realizar a flexão da falange distal do polegar, o músculo que flexiona esta falange, pode também flexionar todo o dedo.

Imagem: Reprodução/Internet

Músculos posturais: São aqueles capazes de manter a postura do indivíduo durante os movimentos que envolvam a coluna vértebras. Ex: Ao avançar o corpo em uma marcha, alguns destes músculos fixam a coluna vértebras impedindo uma oscilação que poderia levar à queda do indivíduo.

 

IMPORTÂNCIA CLÍNICA

HIPERTROFIA MUSCULAR

O músculo sofre através do exercício uma hipertrofia das suas fibras musculares, dando externamente um aspecto de aumento de massa muscular. Nesse caso não existe um aumento no número de fibras musculares (hiperplasia), mas aumento ponderal da fibra muscular.

Imagem: Reprodução/Internet

ESTIRAMENTO MUSCULAR

Ou distensão muscular, consiste em micro rupturas das fibras musculares com dor local. O atleta deverá ser retirado da competição para evitar que a distensão aumente e para facilitar a recuperação das fibras rompidas.

Imagem: Reprodução/Internet

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

TORTORA, Gerald J.; GRABOWSKI, Sandra Reynolds. Princípios de Anatomia e Fisiologia. 9ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.

DANGELO, J.G. E FATTINI, C.A. Anatomia Humana Sistêmica e Segmentar. 3ª ed. São Paulo: Atheneu, 2007. CAP. 1.

BRANDÃO, Miriam C. S. Anatomia Sistêmica – Visão Dinâmica para o Estudante. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004.

NETTER, Frank H. Atlas de Anatomia Humana. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SOBOTTA, Johannes. Atlas de Anatomia Humana. 21 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

Profª Me. MÁRCIA PRAIA,  Anatomia e Fisiologia Humana. Amazonas: Manaus, 2016/2017.

http://anatomiaufvjm.blogspot.com.br/

http://ulbra-to.br/