SISTEMA ARTICULAR

SISTEMA ARTICULAR

 

sistema articular é formado por articulações, essas que fazem parte do sistema esquelético e tem a função de permitir a movimentação do corpo. As articulações são uniões de ossos que podem ou não se articular entre si. Esta união pode ou não permitir movimento livre, de acordo com o tipo de tecido e as características próprias das articulações.

Nem todas as articulações permitem movimentos, porém quando uma parte do corpo se movimenta, outras permanecem rígidas a fim de manter o equilíbrio do corpo. A ciência que estuda as estruturas articulares com suas funções, disfunções e todo seu conjunto de movimentos é chamada de  artrologia.

Imagem: Reprodução/Internet

 

CONCEITO DE CARTILAGEM

Cartilagem conhecida também como tecido cartilaginoso, é uma espécie de tecido flexível, conectivo e elástico que compõe várias partes do corpo humano. Ele é composto por uma matriz gelatinosa formada principalmente, por proteínas e carboidratos. As cartilagens do corpo humano não são irrigadas por sangue, pois não possuem vasos sanguíneos. Desta forma, recebem oxigênio e nutrientes através do processo de difusão. A cartilagem humana possui cor cinza clara ou branca.

  • Condroblastos – Derivado do grego (chondros = cartilagem e blastos = célula jovem), são as células que formam a matriz da cartilagem. Os condroblastos estão presentes no tecido conjuntivo que circunda e nutre a cartilagem, que se chama pericôndrio. À medida que sintetizam a matriz vão sendo envolvidos por ela e diminuindo sua atividade, sofrendo uma redução de volume, quando então passam a ser chamados condrócitos. Os condroblastos são formados por células estaminais mesenquimais (células tronco). 
  • Condrócitos –  Célula cartilaginosa madura que ficam alojadas em lacunas, regiões com substância amorfa e quase sem fibras, cuja função é a atuar na manutenção da matriz cartilaginosa.

 

TIPOS DE CARTILAGEM

A cartilagem é um tipo de tecido conjuntivo, podendo ser classificada e analisada de acordo com o tipo e a quantidade de fibras presentes, sendo elas: Cartilagem hialina, Cartilagem Elástica e Cartilagem fibrosa.

CARTILAGEM HIALINA

Forma a grande proporção dos tecidos frouxos do organismo, com quantidade moderada de fibras colágenas que fornecem suporte flexível e proteção. Contida, por exemplo, na matriz homogênea encontrada nos discos epifisários, permitindo o crescimento dos ossos. Os principais locais onde a cartilagem hialina é encontrada no organismo adulto são: fossas nasais, traqueia e brônquios, extremidade ventral das costelas e recobrindo a superfície dos ossos longos.

CARTILAGEM ELÁSTICA

Formada pelo alto teor de fibras elásticas (elastina) em sua matriz, mas contém também pouca quantidade de colágeno, tem como característica fornecer suporte e flexibilidade. Esse tipo é encontrado no aparelho auditivo (meato acústico), formando o pavilhão externo da orelha, na laringe e na válvula epiglote.

CARTILAGEM FIBROSA

Com alta concentração em fibras colágenas, abrangendo quase que a totalidade do espaço intracelular, essa cartilagem proporciona suporte e resistência à compressão. Esse tipo é normalmente encontrado formando os discos intervertebrais entre as vértebras da coluna, amortecendo os choques mecânicos e conferindo flexibilidade motora ao organismo.

 

CLASSIFICAÇÃO DAS ARTICULAÇÕES

Tem como base a existência ou não da cavidade articular, espaço entre os ossos que se articulam e pelo tipo de tecido conjuntivo que une os ossos. Sendo assim classificadas dependendo do elemento que se encontra entre os ossos.

A classificação funcional das articulações se dividem em:

  • Fibrosas (Sinartrose) – Articulação imóvel
  • Cartilagíneas/Cartilaginosa (Anfiartrose) – Articulação levemente móvel
  • Sinoviais (Diartrose) – Articulação totalmente móvel

 

ARTICULAÇÕES FIBROSAS

Não há cavidade articular,  essa articulação é responsável pela união dos ossos por tecido conjuntivo fibroso, o termo fibroso já dá a ideia de rigidezPodem ser articulações rígidas e relativamente imóveis a levemente móveis, dependendo da forma de como as superfícies ósseas entram em contato, as junturas fibrosas se dividem em: SUTURAS, SINDESMOSES e GONFOSES.

SUTURAS

Localizadas apenas no crânio, apresentam uma fina camada de tecido conjuntivo denso irregular que liga os ossos que se articulam. Desenvolvem-se ao redor dos 18 meses de idade.

SINDESMOSES

São unidas por longas fibras colágenas ou lâminas de tecido fibroso, serve para conectar os ossos firmemente, o encontro entre os ossos é um pouco frouxo, favorecendo discreta flexibilidade. São encontradas na cavidade da orelha, articulação timpanoestapedial; no antebraço, entre as porções distais da ulna e rádio; na perna, entre as porções distais da tíbia e fíbula.

GONFOSES

As fibras são muito curtas e permitem pouco ou nenhum movimento. O local onde a raiz do dente está fixada ao ligamento periodontal do alvéolo dental do osso. Articulação dentoalveolar está entre os dentes e os ossos da mandíbula e maxila.

Fonte Imagem: www.anatomiaresumida.com

 

ARTICULAÇÕES CARTILAGINOSAS

São aquelas em que o tecido entre os ossos é cartilagem. Podendo a mesma ser cartilagem fibrosa (fibrocartilagem) ou cartilagem hialina. Permite movimentos limitados ou apresentar um grau reduzido de movimento, denominadas de semimóveis.

São subdivididas em: Sincondrose e Sínfise.

SINCONDROSE

É uma articulação cujos ossos estão unidos por cartilagem hialina. Algumas sincondroses são articulações temporárias, com a cartilagem sendo substituída por osso com o passar do tempo (isso ocorre após a formação da lâmina epifisial entre a diáfise e as epífises, em ossos longos e entre alguns ossos do crânio). Após o término do crescimento, essas articulações se ossificam e podem ser denominadas de sinostoses. 

Exemplos: Temporária a cartilagem é substituída por osso (epífises dos ossos longos); Permanente a cartilagem permanece inalterada (as dez primeiras costelas e suas cartilagens costais).

SÍNFISE 

É uma articulação cujo dois ossos estão unidos por uma fibrocartilagem hialina, que formam um disco fibrocartilaginoso, o qual permite movimentos limitados. Sendo essa a característica distintiva da sínfise. Esses discos por serem compressíveis permitem que a sínfise absorva impactos.

Exemplos: Sínfise púbica unida por um disco cartilaginoso interpúbico. Outro exemplo é a articulação entre duas vértebras (discos intervertebrais coberta com cartilagem hialina).

Fonte Imagem: www.anatomiaresumida.com

 

ARTICULAÇÕES SINOVIAIS

É o tipo de articulação mais comum, cercada por cápsulas articulares que possuem o líquido sinovial, esse líquido preenche a cavidade articular. Possui movimentos livres nas articulações, essa articulação é conhecida também como articulação diartrose. Executam movimentos amplos e são denominadas de junturas móveis. As sinoviais são classificadas em plana, gínglimo, trocóidea, condilar (elipsóidea), selar e esferóidea.

Ex: ombro, cotovelo, joelho, pulso, etc.

Imagem: Reprodução/Internet

 

CÁPSULA ARTICULAR

É uma membrana conjuntiva que envolve as articulações sinoviais como um manguito. Apresenta-se com duas camadas: a membrana fibrosa (externa) e a membrana sinovial (interna).

Membrana Fibrosa (cápsula fibrosa) é mais resistente e pode estar reforçada, em alguns pontos por feixes também fibrosos, que constituem os ligamentos capsulares, destinados a aumentar sua resistência. Em muitas articulações sinoviais existem ligamentos independentes da cápsula articular denominados extra-capsulares ou acessórios e em algumas, como na articulação do joelho, aparecem também ligamentos intra-articulares. Ligamentos e cápsula articular tem por finalidade manter a união entre os ossos, mas além disso, impedem o movimento em planos indesejáveis e limitam a amplitude dos movimentos considerados normais.

Membrana Sinovial é a mais interna das camadas da cápsula articular e forma um saco fechado denominado cavidade sinovial. É abundantemente vascularizada e inervada sendo encarregada da produção de líquido sinovial. Discute-se que a sinóvia é uma verdadeira secreção ou um ultra-filtrado do sangue, mas é certo que contém ácido hialurônico que lhe confere a viscosidade necessária a sua função lubrificadora.

Imagem: Reprodução/Internet

 

DISCOS E MENISCOS

Em várias articulações sinoviais, interpostas as superfícies articulares, encontram-se formações fibrocartilagíneas, os discos e meniscos intra-articulares, de função discutida: serviriam a melhor adaptação das superfícies que se articulam (tornando-as congruentes) ou seriam estruturas destinados a receber violentas pressões, agindo como amortecedores. Meniscos, com sua característica em forma de meia lua, são encontrados na articulação do joelho. Exemplo de disco intra-articular encontramos nas articulações esternoclavicular e ATM 4.

Fonte Imagem: www.anatomiaresumida.com

 

CLASSIFICAÇÃO MORFOLÓGICA DAS ARTICULAÇÕES SINOVIAIS

 

PLANA: Quando as superfícies ósseas que se articulam são planas ou ligeiramente curvas. O movimento é possível em qualquer direção, sendo limitado somente pelos ligamentos ou processos ósseos.
Ex: processos articulares das vértebras, ossos do carpo e tarso e patela.

Imagem: Reprodução/Internet

 

GÍNGLIMO: Semelhante a uma dobradiça, possui um único eixo de movimento. A convexidade de um osso encaixa na concavidade de outro osso realizando a flexão e extensão do cotovelo e dos dedos.

Imagem: Reprodução/Internet

 

TROCÓIDEA: Quando tem forma de cilindro; realiza o movimento em rotação ao redor de um eixo. Ex: rotação das vértebras cervicais (atlas e axis),Articulação do cotovelo etc.

Imagem: Reprodução/Internet

 

SELAR: A superfície da articulação é côncava numa direção e convexa na outra. Enquanto uma das superfícies se assemelha a uma sela (convexidade).

Ex: A única articulação selar verdadeira do corpo é a articulação carpometacárpica do polegar.

Imagem: Reprodução/Internet

 

CONDILAR: Tem uma superfície articular levemente côncava e convexa. Quando uma das extremidades que se articula tem formato de côndilo. Permitindo movimento em dois planos(convexa e oval entre dois ossos).

Ex: articulação metacarpo-falangeanas e metatarso-falangeanas.

Imagem: Reprodução/Internet

 

ESFEROIDEA: Quando uma das extremidades que se articula tem formato de côndilo. São formadas por uma cabeça esférica de um osso contrapondo-se a uma cavidade em forma de taça (convexa e oval entre dois ossos).

Ex: ombro e quadril

Imagem: Reprodução/Internet

 

TIPOS DE MOVIMENTO

 

Deslizamento: Movimento de acomodação das extremidades

Flexão: Quando um osso é movimentado num trajeto que diminui o ângulo entre ele e o osso adjacente.

Extensão: É o oposto a flexão, causa aumento do ângulo entre os ossos articulados.

Hiperextensão: Ocorre quando o segmento é movimentado aumento seu ângulo, além da posição normal.

Abdução: O membro é movimentado para longe da linha mediana do corpo.

Adução: O oposto da abdução envolve o movimento de uma parte do corpo para próximo da linha média.

Circundução: É o movimento rotatório em torno de um eixo, em sequência combinada de flexão, abdução, extensão e adução.

Rotação: É o movimento de um osso ao redor de um eixo central, sem nenhum deslocamento do eixo. A rotação pode ser Rotação medial ou interna, ou, Rotação lateral ou externa.

Supinação: O termo descreve a rotação do antebraço para fora, fazendo com que a palma da mão fique para cima.

Pronação: Rotação do antebraço para dentro, fazendo com que a palma da mão fique para baixo.

Elevação: O movimento que ergue uma parte do corpo. Ex: elevação da escápula e da mandíbula.

Depressão: O movimento que abaixa uma parte do corpo. Ex: abaixamento da escápula e da mandíbula.

Inversão: Ocorre no pé, com o movimento da planta fique voltada para dentro.

Eversão: Ocorre no pé, com a planta voltada para fora.

Protração: Movimento que desloca uma parte do corpo para frente.

Retração: Movimento que faz para retornar a parte protraída para a posição usual.

Dorsiflexão: é o movimento onde os dedos dos pés estão levantados

Flexão Plantar: é o movimento onde os dedos dos pés estão com as pontas para baixo

 

CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL DAS ARTICULAÇÕES SINOVIAIS

As articulações podem realizar movimentos em torno de 1, 2 ou 3 eixos. Chamadas de MONO-AXIAL, BI-AXIAL E TRI-AXIAL (poli axial ou multiaxial)

MONO-AXIAL: Quando executa apenas um eixo de movimento.

Ex: Cotovelo

Imagem: Reprodução/Internet

 

BI-AXIAL: Quando executa dois eixos de movimento

Ex: Punho

Imagem: Reprodução/Internet

 

TRI-AXIAL: Quando executa mais de dois movimentos.

Ex: Junturas do ombro e do quadril

Imagem: Reprodução/Internet

 

PERSPECTIVAS CLÍNICAS

O Reumatismo é um termo amplo para dor nos ossos, articulações, tendões, ligamentos ou músculos.

A Artrite é um termo geral para mais de 100 doenças inflamatórias articulares. Consiste na inflamação da articulação. Poderá ter origem em doenças sistêmicas (Ex: Doença reumática) ou ser resultante de traumas repetitivos da articulação.

A forma mais comum de artrite é a  osteoartrite, que ocorre em diferentes graus em muitas pessoas e que resulta dos anos de uso e desgaste das articulações.

Artrite reumatoide é uma doença imune articular muito severa causada por um anticorpo chamado fator reumatoideque danifica as membranas sinoviais.

Imagem: Reprodução/Internet

 

Artrose é a fibrose da articulação, levando ao “endurecimento” dos movimentos, a artrite repetitiva poderá levar a artrose. É uma doença que ataca as articulações promovendo, principalmente, o desgaste da cartilagem que recobre as extremidades dos ossos, mas que também danifica outros componentes articulares como os ligamentos, a membrana sinovial e o líquido sinovial. A cartilagem articular tem por função promover o deslizamento, sem atrito, entre duas extremidade ósseas durante o movimento de uma articulação. Seu comprometimento pode gerar dor, inchaço e limitação funcional.

Imagem: Reprodução/Internet

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

FERNANDES, Geraldo José Medeiros. Eponímia: glossários de termos epônimos em anatomia. Etimologia: dicionário etimológico da nomenclatura anatômica. São Paulo: Plêiade, 1999.

GARDNER, Ernest; GRAY, Donald J; O´RAHILLY, Ronan. Anatomiaestudo regional do corpo humano. 4.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1988.

MOORE, Keith L; DALLEY, Arthur F. Clinically Oriented Anatomy. 5.ed. Toronto: Lippincott Williams & Wilkins, 2006.

DANGELO, J.G. E FATTINI, C.A. Anatomia Humana Sistêmica e Segmentar. 3ª ed. São Paulo: Atheneu, 2007. CAP. 1.

TORTORA, Gerald J.; GRABOWSKI, Sandra Reynolds. Princípios de Anatomia e Fisiologia. 9ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.

BRANDÃO, Miriam C. S. Anatomia Sistêmica – Visão Dinâmica para o Estudante. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004.

NETTER, FrankH. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre:Artmed, 2000.

SOBOTTA, Johannes. Atlas de Anatomia Humana. 21ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

Profª Me. MÁRCIA PRAIA,  Anatomia e Fisiologia Humana. Amazonas: Manaus, 2016/2017.